Table of Contents Table of Contents
Previous Page  82 / 92 Next Page
Information
Show Menu
Previous Page 82 / 92 Next Page
Page Background

82 INFRA

Outsourcing & Workplace

IMPACTOS DA

TERCEIRIZAÇÃO NO

AMBIENTE EMPRESARIAL

COMPETITIVO

O

assunto terceirização entrou na

pauta da agenda corporativa no

Brasil no início da década de 1990. O

outsourcing, palavra em inglês que de-

signa esta prática, já vinha sendo im-

plementada, com sucesso, emmeados

dos anos 80, nos países desenvolvidos.

São 25 anos de ativação no ambiente

das organizações, que procuram alter-

nativas estratégicas de ferramentas de

gestão, buscando o aprimoramento das

atividades e mais competitividade.

Alguns setores da economia utiliza-

ram com bastante ênfase os serviços

terceirizados, concentrando esforços

principalmente em seu core business,

isto é, em seu negócio principal e con-

tratando empresas para atuarem nas

tarefas ditas complementares.

Quando, recorrentemente, focamos

a terceirização sob o aspecto da gestão,

encontramos aqui elementos claros

que permitem identificar a sua prática:

• no aprimoramento dos

processos visando à qualidade

dos serviços prestados;

• na entrega dos serviços

nos prazos ideais;

• nas atividades que permitem

a otimização de recursos

com redução de custos;

• na utilização constante de

inovação tecnológica agregada

à prestação dos serviços.

A 7ª edição da Pesquisa Nacional

sobre Terceirização, realizada emmaio

deste ano pelo Centro Nacional de

Modernização Empresarial (Cenam),

envolvendo 2.810 empresas em todo

o País, indica que 70% dos participan-

tes avaliam como “satisfatórios” e/ou

“atendendo às expectativas” os serviços

prestados por empresas terceirizadas.

Além disso, consideram que 95% cum-

prem as bases do contrato, 86% em-

pregam uma metodologia de trabalho

e 39% tiveram redução de custo nas

atividades terceirizadas.

No entanto, a pesquisa revela que

em 78% das empresas participantes

não há avaliação periódica e identi-

ficação dos índices de desempenho

dos serviços terceirizados, 53% não

atendem à qualidade dos serviços

prestados, 69% não empregam tec-

nologia adequada e 34% já tiveram

algum problema trabalhista com a

contratação de serviços terceirizados.

Mesmo assim, 96% acreditam que a

contratação de serviços terceirizados

continuará a ser utilizada na empresa

nos próximos anos.

Por outro lado, quando abordamos

o tema sob o foco dos contratos de

trabalho envolvidos no registro da mão

de obra junto às empresas prestado-

ras de serviços, percebemos que, ao

longo destes anos, muitas distorções

*

Lívio Giosa

é Presidente

do Centro Nacional

de Modernização

Empresarial (Cenam);

Presidente Executivo

da Associação dos

Dirigentes de Vendas

e Marketing do Brasil

(ADVB); Sócio-Diretor

da GLM Consultoria

Empresarial; e autor do

livro Terceirização: uma

abordagem estratégica,

9ª ed. São Paulo:

Pioneira/Thomson/Meca.

TERCEIRIZAÇÃO

|

por Lívio Giosa*

Divulgação