Revista Infra Março/Abri 2018

72 INFRA Outsourcing & Workplace TEMPO DE MUDANÇAS NO CENTERVALE SHOPPING Após implantar diversos projetos de economia e sustentabilidade, quem colhe os benefícios financeiros e ambientais são lojistas e usuários GESTÃO SUSTENTÁVEL | por Larissa Gregorutti O CenterVale Shopping, primeiro gran- de centro comercial da região do Vale do Paraíba, completou 30 anos de história e está emuma nova fase de proje- tos, implementando ações de economia e de preservação do meio ambiente. Entre as novidades lideradas por Gilberto Brito, Gerente de operações do shopping e sua equipe, o processo de migração para o mercado livre de ener- gia trouxe uma redução de 30% no valor da conta de energia, que deixou de ser gerada pela EDP Bandeirante e passou a ser produzida por diferentes hidrelé- tricas, diminuindo significativamente, segundo Brito, a segunda maior despesa do shopping hoje. “A ideia de realizar o processo de mi- gração da energia na verdade surgiu em 2016, quando após alguns estudos feitos pelo shopping em relação a eficiência energética, custo com a energia do con- domínio e oportunidade do mercado, analisamos qual o melhor cenário para fazer essa migração e evidenciamos um retorno financeiro relevante para o condo- mínio”, informou o gerente de operações. Então, a administração do processo da migração de energia passou a ser feita pela Simple Energy, empresa que regula- Máquina de compostagem, utilizada para transformar resíduos orgânicos em composto rizou toda parte burocrática perante os órgãos competentes, e a partir de maio de 2017, contribuiu para que o CenterVale se tornasse um consumidor de energia livre e incentivada. A contratação contribuiu de modo imediato para a redução de custos, pos- sibilitando inclusive que o shopping con- seguisse um desconto de 50% na tarifa de distribuição da EDP Bandeirante, sem precisar mudar a rede anteriormente ins- talada. Desta forma, no modelo de negócio realizado, o contratante passou a com- prar uma quantia determinada de ener- gia mensal que o empreendimento vai consumir pelo sistema pré-pago. “Uma opção que existe, é que se você comprou energia livre incentivada e na sua projeção de consumo vai haver economia, é possível revender a quantia excedente. Nesse processo, recalculando a cota do mercado, existe uma grande recompensa no custo de energia, onde você tem um segundo ganho nesse pro- cesso. Isso significa que não é porque o shopping migrou para o mercado livre e está tendo muitos benefícios, que ele vai deixar de economizar. É preciso con- tinuar trabalhando na matriz energética do empreendimento, para que cada vez mais, o consumo seja realmente menor”, ressaltou Brito. Outro processo que contribui para a redução dos custos de energia, e princi- palmente, para a redução do consumo, foi a troca de 80% da iluminação do Cen- terVale por iluminação LED. Segundo o gerente de operações, houve a troca da iluminação dos corredores, das garagens, do estacionamento externo, da admi- nistração, escritórios e área de serviços. Além disso, o Shopping possui uma central de cogeração de energia, e para 2018, trabalha em um projeto para con- vencer os lojistas a aderirem estrategica- mente o projeto pela troca da iluminação por LED, medida que vai automaticamen- te reduzir o consumo total do shopping e trazer benefícios para todos. Segundo Brito, o shopping convidou uma das novas lojas para ser omodelo de negócio. “Então, implantamos o projeto de iluminação 100% LED no estabeleci- mento, mensuramos a redução do con- sumo e o ganho financeiro, e utilizamos esse modelo para mostrar os benefícios para o lojista, para comprovar que o pro- jeto vale a pena”, Informou. MEDIDAS SOCIOAMBIENTAIS Tendo como um de seus pilares im- plantar estratégias de sustentabilidade, o CenterVale Shopping está sempre bus- cando ações para melhorar o nível de impacto no meio ambiente. Uma prática comum que tem adotado é a separação de resíduos entre orgânicos e recicláveis. Divulgação

RkJQdWJsaXNoZXIy Mjk5NzE=